Identifique o que desmotiva os melhores advogados

desmotivacao

por Pedro Borges (*)

Quando o assunto é retenção de talentos, qualquer que seja o seu modelo de negócios, um dos passos mais importantes que o gestor pode tomar é procurar entender o que mais desestimula os profissionais mais eficientes dentro da sua área de atuação. Ao invés de buscar as vantagens que mais levam à manutenção dos melhores advogados, o FDJUR em parceria com a GEJUR inverteu a lógica e consultou profissionais de departamentos jurídicos e escritórios de advocacia, perguntando o que mais levou à debandada dos profissionais legais mais produtivos.

Para a pesquisa foi solicitado que cada respondente identificasse as razões que na sua opinião levaram ao pedido de desligamento de advogados eficientes/produtivos que tenha acompanhado, mesmo que de longe. As respostas tiveram uma discrepância entre os advogados de departamentos jurídicos e de escritórios de advocacia, portanto os resultados foram apresentados separadamente e depois reunidos.

Departamentos Jurídicos

1º) Falta de Atrativos na Remuneração e/ou nos Benefícios;

2º) Ausência de Autonomia para Executar o Trabalho;

3º) Desgaste com os Superiores;

4º) Alto Nível de Estresse;

5º) Carga de Trabalho Abusiva;

6º) Conflito de Valores/Ideais;

6º) Falta de Políticas de Remuneração Variável;

7º) Desgaste com os Colegas;

8º) Falta de Retorno de suas Reclamações.

 

Escritórios de Advocacia

1º) Falta de Retorno de suas Reclamações;

2º) Ausência de Autonomia para Executar o Trabalho;

2º) Falta de Políticas de Remuneração Variável;

3º) Carga de Trabalho Abusiva;

3º) Conflito de Valores/Ideais;

3º) Desgaste com os Superiores;

4º) Falta de Atrativos na Remuneração e/ou nos Benefícios;

5º) Alto Nível de Estresse;

6º) Desgaste com os Colegas.

 

Mercado Jurídico Corporativo (Departamentos Jurídicos + Escritórios de Advocacia)

1º) Ausência de Autonomia para Executar o Trabalho;

1º) Falta de Atrativos na Remuneração e/ou nos Benefícios;

2º) Desgaste com os Superiores;

3º) Carga de Trabalho Abusiva;

4º) Alto Nível de Estresse;

5º) Falta de Políticas de Remuneração Variável;

6º) Conflito de Valores/Ideais;

7º) Falta de Retorno de suas Reclamações;

8º) Desgaste com os Colegas.

Entre as opções foi deixada propositalmente de lado a falta de reconhecimento, algo notado por diversos respondentes. Todo profissional altamente produtivo tem ciência do que é capaz de realizar em comparação aos outros e por isso tende a necessitar de alguma forma do reconhecimento, que está presente nas opções “Falta de Atrativos”, “Ausência de Autonomia” e “Falta de Retorno de suas Reclamações”.

Maiores Desmotivadores nos Departamentos Jurídicos

A falta de atrativos na remuneração aparece em primeiro lugar entre os maiores desmotivadores, no mínimo em parte pelo maior desafio do crescimento profissional. O advogado de escritório pode evoluir de advogado júnior a pleno, com pretensões de ascensão até se tornar sócio; essa evolução nas bancas pode ocorrer com mais facilidade que nos departamentos jurídicos, dada a maior oferta de cargos mais altos. A ausência de autonomia de trabalho e o desgaste com os superiores aparece logo em seguida, muitas vezes por uma simples razão: os profissionais medianos necessitam de maior orientação, o que causa certo ressentimento nos mais eficientes que muitas vezes também precisam segui-las. Tais padronizações são vistas como uma limitação à atuação de um profissional que costuma ir além da média.

Para evitar a desmotivação dos advogados, gerentes e diretores jurídicos oferecem algumas dicas:

. Ambiente de trabalho ruim e falta de reconhecimento do profissional são as queixas mais comuns e as que mais costumam ser ignoradas pelos gestores.

. É necessário garantir ao menos duas de três variáveis: bom salário, perspectiva de crescimento e gostar de estar trabalhando ali.

. A criação de um plano de cargos e salários pode não ser o suficiente. É preciso transparência, diálogo e um acompanhamento sério do trabalho diário.

. Capacitação e retenção de talentos são investimentos aparentemente inócuos, mas seus frutos aparecem justamente nos momentos de crise.

. Avaliações e contratações feitas com uma atenção especial podem evitar uma série de problemas de rotatividade que acarretarão num menor esforço posterior.

Demandas Mais Comuns nos Escritórios de Advocacia

A pesquisa identificou grande desmotivação quando o advogado não é ouvido e sofre com as interferências com o seu trabalho, um tratamento comum nos escritórios com muitos advogados. Apesar de ser praticamente impossível anular essa dificuldade, afinal todos os esforços para a uniformidade da atuação do escritório costumam levar a estes problemas, talvez uma forma de minimizá-los seja encontrar uma forma de conscientização dessa necessidade. Nesse caso, é preciso tomar cuidado com uma armadilha recorrente, que é mostrar que o advogado foi ouvido, mas nada efetivamente ser feito para diminuir a fonte da reclamação.

Para evitar a desmotivação dos advogados, gestores de escritórios oferecem as seguintes sugestões:

. Profissionais altamente produtivos precisam de um reconhecimento intelectual e em remuneração, do contrário são frequentemente perdidos.

. Ouça e faça um controle das manifestações dos advogados. O profissional precisa saber que foi ouvido e que seus apontamentos não foram rapidamente esquecidos.

. Pesquise o clima organizacional ao menos uma vez por ano. Com esse cuidado será possível evitar problemas internos antes que eles cresçam e se tornem incontornáveis.

Invista no plano de carreira ou ao menos crie oportunidades para trabalhar o conhecimento. A sensação de evolução deve ser percebida pelos advogados.

. Faça com que os advogados se sintam valorizados, mas para isso é preciso avaliar o que isso significa para cada um deles.

. Mantenha a proposta de trabalho combinada no início.

 

Fonte: FDJUR/GEJUR –  http://www.gejur.com.br/Noticias/detail/313-identifique-o-que-desmotiva-os-melhores-advogados