Em 2025, o pensamento analítico, a criatividade e a flexibilidade estarão entre as habilidades mais procuradas

O Que o Relatório “Future of Jobs” do World Economic Forum Significa para a Auditoria Interna

Por  Richard F. Chambers  (*) 

Em outubro passado, à sombra das eleições nos Estados Unidos e do tsunami contínuo que é a pandemia de COVID-19, o World Economic Forum (WEF) lançou a terceira edição de seu relatório The Future of Jobs Report 2020. Ele passou despercebido pela maioria de nós e, com 163 páginas incluindo perfis de países e setores, é um documento aprofundado que apenas economistas e futuristas poderiam amar de verdade. Mas enterrado no relatório está um tesouro de informações sobre como o mercado de trabalho provavelmente será impactado pelo COVID-19 e pela Quarta Revolução Industrial em curso, a revolução digital. Há também uma previsão ameaçadora para nós na profissão de auditoria, mas falaremos mais sobre isso mais tarde.

No sumário executivo do relatório, o WEF enfatiza que “visa esclarecer: ​​1) as disrupções relacionadas à pandemia até agora em 2020, contextualizadas dentro de uma história mais longa de ciclos econômicos, e 2) a perspectiva esperada para empregos de adoção de tecnologia e habilidades nos próximos cinco anos.”

Algumas das principais descobertas incluem:

  • O ritmo de adoção da tecnologia deve permanecer inalterado e pode acelerar em algumas áreas.
  • A automação, em conjunto com a recessão do COVID-19, está criando um cenário de “dupla disrupção” para os trabalhadores.
  • Embora o número de empregos destruídos seja superado pelo número de “empregos do amanhã” criados, em contraste com os anos anteriores, a criação de empregos está diminuindo, enquanto a destruição de empregos acelera.
  • As lacunas de competências continuam altas, conforme as habilidades em demanda em todos os empregos mudam nos próximos cinco anos.
  • O futuro do trabalho já chegou para a grande maioria da força de trabalho online de colarinho branco.
  • A aprendizagem e formação online estão a aumentar, mas parecem diferentes para quem está empregado e para quem está desempregado.

A esta altura, você deve estar se perguntando o que o relatório diz sobre o futuro da auditoria interna e as oportunidades de trabalho na profissão. Felizmente, um artigo recente da revista Finance and Development, do Fundo Monetário Internacional (FMI), sintetiza as conclusões do relatório de forma a esclarecer essa questão. Infelizmente, não é o tipo de notícia que queremos ouvir. O artigo, de Saadia Zahidi, coautora do relatório do WEF, é intitulado The Jobs of Tomorrow. Zahidi compartilha quatro previsões convincentes:

  • A força de trabalho está se automatizando mais rápido do que o esperado, deslocando 85 milhões de empregos nos próximos cinco anos.
  • A revolução robótica criará 97 milhões de novos empregos.
  • Em 2025, o pensamento analítico, a criatividade e a flexibilidade estarão entre as habilidades mais procuradas.
  • As empresas mais competitivas se concentrarão na atualização das habilidades de seus trabalhadores.

Essas previsões não são muito alarmantes para nossa profissão, mas aí vem a notícia sombria: o artigo reproduz as descobertas do relatório do WEF, que prevê 20 empregos com demanda crescente e 20 com demanda decrescente. Você já deve ter adivinhado que os auditores estão do lado errado do gráfico. Na verdade, ocupando o terceiro lugar na lista de empregos com demanda decrescente está “contadores e auditores”.

Enquanto refletia sobre essa previsão, tive que recuar e reconhecer que não se trata de auditores internos — pelo menos, não da profissão de auditoria interna moderna. Se estivermos atolados na auditoria dos controles de reporte financeiro, provavelmente corremos riscos com base neste relatório. No entanto, há ampla evidência nesta mesma lista de empregos com demanda crescente de que o futuro é brilhante para nós. Cinco que me chamaram a atenção:

  • Especialistas em gerenciamento de riscos.
  • Consultores estratégicos.
  • Analistas de gestão e organização.
  • Especialistas em desenvolvimento organizacional.
  • Analistas de segurança da informação.

Se sua função de auditoria interna é realmente baseada em riscos e você implantou uma estratégia de gestão de talentos para lidar com esses riscos, você provavelmente está rodeado por auditores internos que possuem essas cinco habilidades. O relatório também descreve os conjuntos de habilidades que, segundo os empregadores, estão aumentando ou diminuindo de valor. As habilidades para as quais a demanda está aumentando mais são:

  • Raciocínio crítico e analítico.
  • Solução de problemas.
  • Autogestão.
  • Trabalhar com pessoas.
  • Gestão e comunicação das atividades.

Os principais chefes executivos de auditoria que buscam ser arquitetos de funções de auditoria interna fortes, vibrantes e com grande demanda fariam bem em abraçar as conclusões do relatório do WEF. Devemos garantir que a auditoria interna esteja centrada no risco — focada no gerenciamento de riscos, estratégia, operações de negócios e TI. E devemos assumir essa missão com pensadores e solucionadores de problemas talentosos, autodirecionados e críticos, que se comunicam dinamicamente com aqueles a quem servimos.

Quando são publicados relatórios que questionam o futuro de nossa profissão, devemos resistir à tentação de nos frustrar em aceitação. Em vez disso, devemos abraçar o desafio que a pesquisa apresenta.

 

(*)  Richard F. Chambers, presidente e CEO do Global Institute of Internal Auditors, escreve um blog semanal para a InternalAuditor.org sobre questões e tendências relevantes para a profissão de auditoria interna

Fonte: https://global.theiia.org/knowledge/chambers-portuguese/Pages/O-Que-o-Relatorio-Future-of-Jobs-do-World-Economic-Forum-Significa-para-a-Auditoria-Interna.aspx acessado em 24 de fevereiro de 2021